Argentina,

Mendoza | Gastronomia

setembro 17, 2016 Thayanna Sena 0 Comentários



Os primeiros dias em Mendoza passaram tão rápido que eu mal consigo me lembrar o que comemos (embora eu lembre que teve vinho hahaha). A rotina de passeios clássicos é bem intensa: saímos três dias às 6h30/7hs e só voltamos à noite, fazendo lanches ou comendo onde os guias nos levavam_ o que, convenhamos, tem 99% de chance de ser ruim. E foi, exceto em Los Penitentes, onde eu comi um lomo bem gostoso, mas vou explicar melhor no post sobre ele.

Tiramos os últimos dias da viagem para ficar "de boa", não acordar tão cedo e comer melhor. Não conseguimos fazer o menu degustação na Bodega Zuccardi que eu queria muito, mas fomos à alguns restaurantes na região central, começando pelo Gio Bar (Chile 1288). Vale dizer que, diferente de Buenos Aires, em Mendoza não nos cobraram cubierto (uma taxa além dos 10% do garçom) em nenhum restaurante e o couvert não era pago. Mais do que isso: nas ocasiões em que comemos todos os pãezinhos, que vêm com molhos deliciosos, eles ainda trouxeram outra porção. No Gio Bar, pedimos um pollo com vino chardonnay e infelizmente não pensamos na possibilidade de ele vir com osso, o que aconteceu. Confesso que isso me deixou meio chateada, mas não a ponto de não recomendar o lugar, que tem também uma adega com boas opções de vinho e preços dentro da média. O almuerzo, com prato principal + postre (que eram frutas assadas caramelizadas) saiu por 95 pesos e com uma taça de vinho saía por 130 pesos.



Passamos pelo Bute, sigla de Buenas Tertulias (General Espejo, 501), várias vezes enquanto caminhávamos pela cidade e acabamos almoçando lá duas vezes. Na primeira, um risoto de ervilhas e queijo roquefort, que a Luisa repetiu na segunda visita. Eu fui de filet de merluza empanado com mousseline de batata doce. O espaço do Bute é uma gracinha, com mezanino, salão principal e também mesas externas. Além do almoço, eles servem jantar e desayuno(café da manhã) e a boa localização (em uma das esquinas da Plaza Independencia) faz dele uma ótima opção para quem fica no centro de Mendoza.



Uma das minhas opções gastronômicas favoritas na Argentina são os desayunos. Em Buenos Aires eu provei vários e alguns deles eram quase um almoço de tantas opções. Em Mendoza, conhecemos a BRÖD Panadería (Chile 894) por acaso, passeando pelas calles, e resolvemos voltar para o brunch_ que substitui o desayuno aos domingos. A refeição vem com ovos, prato principal, doces, bebida quente e suco, todos as categorias com várias opções. Fomos de ovos mexidos (na frigideira mini, amei!), quiche de espinafre, funghi e parmesão/ salada de peras grelhadas, Roquefort, alface, rúcula e nozes, torradas com geleia e cream cheese (melhor salada ever!!) / pães do dia (que eram folhados recheados), café e sucos de laranja e limão.



Também conhecemos alguns bares/restaurantes na calle Aristides Villanueva, o principal point de Mendoza para sair à noite:
- PH Bar (Aristides Villanueva 282): o restaurante é bem bonito e descolado e tem as melhores papas fritas que provamos, com um molho delicioso. Também provamos o risoto, os drinks e, no conjunto gastronomia + ambiente + público, o Pê Ache foi o meu favorito!
- Antares (Aristides Villanueva 153): o ponto principal do Antares são as cervejas artesanais, sejam as de fabricação própria ou as importadas.
- William Brown (Aristides Villanueva 301): fomos à um irish pub numa noite em que eu não queria tomar cerveja, mas provamos lá o tradicional Ojo de Bife_ e chegamos à conclusão de que na Argentina a gente deve pedir um prato para duas, porque na maioria dos lugares não demos conta de comer tudo.
- Bar Latina (Aristides Villanueva 245): a rodada dupla de drinks, que geralmente vai até as 21hs nos bares da Aristides, só termina à meia noite no Latina. Tomamos Margueritta, Mojito, Cuba Libre e quebramos um copo. Hahaha

0 comentários: