Budapest: um post sobre pontes

UPDATE! Dear international friend who has no idea about what I write in portuguese: I want to improve my english and start to write in both languages soon. For now, I hope you enjoy the view. Your visit is always welcome! Love, Thay

Fiquei pensando: será que eu vou parecer muito doida por fazer um post sobre pontes?

Pois bem, primeiro alguns esclarecimentos: a capital húngara é cortada pelo Rio Danúbio (sim, o do "Danúbio Azul" de Strauss), que é o segundo mais longo da Europa_ e vai aparecer aqui de novo em breve, porque ele também corta Vienna. O rio divide a cidade em duas partes: Buda, que fica na margem direita, com partes mais altas como a Citadella e o Castelo de Buda (onde tirei as duas fotos abaixo); e Pest, o lado oriental e mais plano, onde estão o Parlamento e a Praça dos Heróis.






Para ligar os dois lados, que foram unificados em 1873, existem 7 pontes, duas para trens e as outras cinco para trânsito e pedestres. Agora atenção, porque eu vou gastar todo o meu vocabulário húngaro proveniente do Google: de todas as pontes, as mais famosas são a Chain Bridge (Széchenyi Lánchíd), a Liberty Bridge (Szabadság híd) e a Elisabeth Bridge (Erzsébet hit). Não, eu não sei pronunciar as palavras. A única coisa que eu de fato aprendi foi "Szeretlek" (lê-se 'céretlec'), que significa 'eu te amo' e estava escrito na placa de um ruin bar muito doido onde um segurança quis me revistar e eu arrumei barraco, mas no fim deu tudo certo :) hahaha

E aí chegamos finalmente ao motivo do post sobre pontes: elas são tão maravilhosas que João (meu companheiro de Europa) e eu ficávamos um tempão tirando fotos. E eu vou deixar que as imagens provem isso, começando pela Chain Bridge ou Ponte das Correntes:


Ps: vendo pelas fotos essa estrutura parece baixa, mas de lá do alto, olhando para o rio e para os carros, eu fiquei com muito medo. Também porque o João me pôs medo: "Cuidado Thayni, desce daí". E porque os dois estavam morrendo de medo de alguém xingar. haha

Neeeext!
As pontes de Budapest são lindas durante o dia, com céu azul e os -7 graus (ou ainda menos) que pegamos de temperatura, mas ficam ainda mais bonitas à noite. E aí vamos para a Liberty Bridge, Ponte da Liberdade, e depois para a Elisabeth Bridge, a ponte da rainha (que tem uma curva super perigosa no final, dá pra ver na terceira foto):


Agora, com a licença pelo palavrão, olha que vistão da porra:



Eu estava louca para ir à Citadella só pra ver Budapest assim, do alto. Acabamos perdendo o pôr do sol porque para chegar no topo é preciso subir um caminho íngreme que estava cheio de gelo. Não era neve não, eram placas de gelo mesmo. E isso nem foi nada comparado com a volta, na descida, de noite e sem luz. Mas o post sobre a Citadella com essa história vem em breve...

Na quinta-feira eu posto uma "crônica", porque várias histórias dessa viagem eu não pude registrar em fotos, só na memória. Para quem chegou/leu até aqui, além do meu muito obrigada, confirme por favor que eu não sou doida por fazer um post sobre pontes. Ou confirme o contrário. haha

0 comentários